web

counter
 Imed

Volta às aulas

Lanche escolar pode evitar doenças crônicas e obesidade, orienta nutricionista
23 FEVEREIRO 2016

Com o retorno das aulas, pais devem ficar atentos ao lanche que os filhos consomem na escola. Uma boa alimentação previne, por exemplo, sobrepeso e obesidade. O lanche precisa ter valor nutritivo e não trazer calorias em excesso. Na prática, a alimentação ideal para ser consumida na escola não é a que as crianças normalmente têm acesso. Nas cantinas das escolas predominam, normalmente, os refrigerantes, sucos industrializados, biscoitos e salgadinhos.

 

Na rede pública municipal e estadual de ensino, as aulas começam nos dias 11 e 15, respectivamente.

 

A ingestão de alimentos industrializados, esporadicamente, não faz mal, mas o consumo diário pode acarretar, além da obesidade, doenças cardiovasculares, pressão alta e diabetes, entre outras, ressalta a nutricionista do Pronto-Socorro (PS) do Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, Cássia Kellen. O PS é uma unidade da Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

 

Segundo ela, o lanche ideal deve conter carboidratos, como pão integral, cookies integrais, tapioca, ou batata-doce ou inglesa assadas e macaxeira ou cará cozidos. “Para as proteínas, o ideal é dar preferência ao queijo branco e iogurte. Vale, também, aproveitar as carnes que sobrarem do almoço, como bife, carne moída ou frango, para fazer recheios e colocar no pão”, disse.

Minerais e vitaminas podem ser encontrados nas frutas e é bom dar preferência às que oxidam menos, como mamão, manga, melão, melancia e goiaba. “Se a opção for banana, maçã ou pêra é melhor não as mandar cortadas na lancheira, pois elas escurecem com o tempo e, dessa forma, a criança pode rejeitá-las”, orientou. Banana pacovan cozida é uma excelente opção.

 

Para sucos, a sugestão é uma garrafa térmica escura, que evita oxidação a partir do contato com a luz. Outra dica é preparar gelo com a polpa da fruta. Na hora de organizar o lanche na lancheira, deve-se colocar os cubos na garrafa e preencher com água. Oriente a criança a, antes de beber, sacudir o recipiente. Caso precise adoçar, dois tipos de açúcar são recomendados: o mascavo ou o demerara orgânico.

 

Os alimentos devem ser levados em recipientes que não contenham bisfenol, substância presente em muitas embalagens. As vasilhas que não contem têm a inscrição bbf free. O bisfenol é um componente químico cancerígeno, quando em contato constante com o organismo. Os alimentos devem ser embalados sempre em papel toalha ou plástico filme, já que o papel alumínio pode liberar essa substância na comida.

 

Nos alimentos industrializados há excesso de sódio, o que pode provocar pressão alta. Eles também possuem corantes que podem causar alergias. Há, ainda, muitos conservantes, como o nitrito e nitrato, elementos que no nosso organismo são convertidas em substâncias potencialmente cancerígenas.

 

Nem sempre as crianças gostam de alimentos naturais, porque em casa os costumes incluem muitos produtos industrializados.  “Os pais têm papel fundamental na formação de hábitos alimentares saudáveis. São eles que poderão monitorar a disponibilidade e o acesso ao alimento em casa, sempre com o objetivo de orientar escolhas mais saudáveis”, destacou a nutricionista.


Voltar
Todos direitos reservados | IMED - 2017 - Desenvolvido por líbero+